COVID-19 information
/
For the latest updates, please visit our coronavirus (COVID-19) website:
  • Natalícia Tracy
  • Boston immigrants are sharing their personal stories and cultural heritage through storytelling and the arts.

    Hear their stories

Natalícia Tracy

Storyteller

Natalícia is the Executive Director of Boston’s Brazilian Worker Center, a local nonprofit serving immigrant families. She educates people on the racial divides that immigrants carry with them from Latin America to Boston. Natalícia is the first one in her family to earn a PhD and writes and teaches about race, power, and immigration at the University of Massachusetts Boston. She is a leading immigrant activist and member of several influential boards in Massachusetts. 

Natalícia shared her story during "Suitcase Stories: Boston Immigrants Unpack 2020". 

Learn about Natalícia's story

By Natalicia Tracy 

It’s another day full of Zoom meetings! It’s the afternoon, and here I am in my kitchen looking into my computer screen and involved in meeting after meeting. 

In addition to being the Executive Director of the Brazilian Worker Center in Boston, I’m also co-chair of the Driving Families Forward Coalition. We’re discussing the driver’s license legislation we’re trying to get passed. I’m also keeping one eye on the tea kettle, so it won’t whistle loudly, and another eye on my phone. Multi-tasking as usual! It’s a lively meeting on Zoom and we’re right in the middle of deciding our strategy for moving our bill forward. When it passes, over 100,000 working families will be able to obtain a driver’s license in Massachusetts, and it won’t matter whatever their immigration status is. Well, my tea water is about to boil, and from the corner of my eye I can see that a text message just appeared on my phone. It’s from my sister who has been very sick with COVID. It reads like a goodbye message: “Thank you for taking me to Nevada and Arizona in February.” For a second, everything else fades into the background, and I lose sight of what I am doing and where I am.

My mind rushes me back to Nevada where my sister and I traveled two months before to the National Domestic Workers Alliance national Congress.

It was a conference with a tight agenda, workshops and panels from 8am to 9pm. We had important discussions about the state and national domestic worker bill of rights, designed to bring respect and dignity for all workers. Though the conference was exciting, my sister and I also wanted to see the city and we escaped every minute that we had free.

You should know something about me and my sister: We grew up in Brazil; we laugh at everything, whether good or bad, but especially in stressful situations. We share a weird sense of humor. I guess we learned to do that because my mother had ten of us, and that kept her very busy with basic household chores.

In Nevada, my sister and I made time to visit Hoover Dam and Lake Mead. We played loud music on the car radio, sang along, stopped to take in all the beautiful scenic views. We even got lost … at one point without a phone signal. It was scary, but looking back now, it wasn’t as scary as the last three months.

You see, my sister has been sick since March only one month after we returned from Nevada. We both work at the Brazilian Worker Center where we’ve been helping immigrant families with emergency food and rent. In March, a community member of ours called and told me she had COVID-19 the same woman who had been sitting directly across from my desk and crying her heart out, only a few days before. Everyone freaked out, and we all went to get tested immediately. Everyone’s results came back negative except my sister’s! In the beginning, she just had headaches, but it quickly progressed. She’d been out sick for weeks now. 

Looking again at the text on my phone, my mind is rushing. Why is she talking about Nevada anyway? And it hits me … maybe she really is saying goodbye. She doesn’t send texts like these. It’s usually just cute and funny memes, or information about a local family who needs help. And I start to panic. My sister can’t die. That’s crazy. It’s not fair! She has a son who is only 10: Who will care for him? He needs his mother! We have so many trips planned! We have a huge list. We’re just starting! I feel concerned, worried, even a bit panicked … But then, I realize I’m still on the Zoom call. I can’t let them see me cry, so I tell myself not to think so negatively. I am very good at doing that, you know! I learned to do that for survival when l was trapped for two years as a worker in domestic slavery, away from everything that I knew and cared about.

I try my best to stay engaged to the end of the meeting. I turn off the stove. The meeting was over. Then I called people in our family to tell them what was going on. I even called her ex-husband. I don’t know why. I just did. I bought treats for her at CVS, and I rushed to her house. Inside she was lying in bed, and I stayed six feet away from her. I had two masks on and gloves. I was worried about catching and carrying the virus away with me. It was so hard for my sister to speak, or even breathe, because her pneumonia was so bad. I told her, “This is crazy. You need to eat, take your vitamins, and you have to try. We still have a lot more traveling to do.” I love her so much and need her to stay in my life. We always have each other’s back, and that can’t change. So, I left her house telling myself that she has to be okay. I know she’s strong.

Well, 2020 has been a challenging year for sure. It’s tested our resilience, and our faith. So many had to struggle to hold on to our jobs, even at the Brazilian Worker Center. We’re risking our health as frontline workers trying to help those in worse trouble. Parents now have to help their kids with homeschooling like never before. Together they have to figure out how to make Zoom work for learning. At our food pantry we saw so many families hungry and unable to pay the rent. Also, as immigrants, we endured racism from people assuming we are the walking COVID-19 plague. It’s been incredibly stressful for my colleagues, our community, and families everywhere. We’ve been in the trenches.

For me though, there has been one bright light! On June 9th, after being sick for almost three months and being close to dying, my sister was finally able to go back to work and to us. Thank God she survived COVID. We’re already planning a trip to Niagara Falls this summer! 

Por Natalicia Tracy 

Hoje é mais um dia cheio de reuniões pelo Zoom! Aqui já é de tarde e cá estou eu na minha cozinha, olhando para a tela do meu computador e participando de reunião atrás de reunião. 

Além de Diretora Executiva do Centro do Trabalhador Brasileiro (Brazilian Worker Center) em Boston, também sou copresidente da Coalizão para Avanço das Famílias (Driving Families Forward Coalition). Estamos discutindo a legislação da carteira de motorista que queremos aprovar. Também estou de olho na chaleira, para que ela não apite alto, e no telefone. Fazendo várias coisas ao mesmo tempo, como sempre! A reunião no Zoom está animada e estamos perto de definir nossa estratégia para levar nosso projeto de lei adiante. Quando a lei for aprovada, mais de 100.000 famílias trabalhadoras poderão tirar a carteira de motorista em Massachusetts, não importa qual seja o status de imigração. Bem, a água do meu chá está prestes a ferver e, pelo canto do olho, vejo que uma mensagem de texto acabou de aparecer no meu telefone. É da minha irmã que está muito doente com COVID. Parece uma mensagem de adeus: “Obrigada por me levar para Nevada e Arizona em fevereiro”. Por um segundo, tudo o mais desaparece em segundo plano, e eu perco de vista o que estou fazendo e onde estou.

Minha mente me leva de volta a Nevada, onde minha irmã e eu estivemos dois meses antes, para o Congresso Nacional da Aliança Nacional de Trabalhadoras Domésticas (Domestic Workers Alliance National Congress).

Foi uma conferência com a agenda apertada, workshops e painéis das 8h às 21h. Tivemos discussões importantes sobre a declaração estadual e nacional de direitos dos trabalhadores domésticos, concebida para conferir respeito e dignidade a todos os trabalhadores. Embora o congresso fosse interessante, minha irmã e eu também queríamos ver a cidade e escapávamos a cada minuto livre que tínhamos.

Há algo que você deveria saber sobre mim e minha irmã: crescemos no Brasil; rimos de tudo, seja bom ou ruim, mas principalmente em situações estressantes. Temos um senso de humor meio esquisito. Eu acho que aprendemos a fazer isso porque minha mãe tinha dez filhos e isso a mantinha muito ocupada com tarefas domésticas básicas.

Em Nevada, minha irmã e eu reservamos um tempo para visitar a Represa Hoover e o Lago Mead. Deixamos o som do carro alto, cantamos juntas, paramos para apreciar todas as lindas vistas. Nós até nos perdemos... Em um momento, sem sinal de celular. Foi assustador, mas olhando para trás agora, não foi tão assustador quanto os últimos três meses.

Veja, minha irmã está doente desde março - apenas um mês depois de voltarmos de Nevada. Nós duas trabalhamos no Centro do Trabalhador Brasileiro, onde ajudamos famílias de imigrantes com alimentação e aluguel em casos de emergência. Em março, uma pessoa da comunidade me ligou e disse que estava com COVID-19 a mesma mulher, que dias antes, estava sentada à minha frente, no meu escritório, e chorava muito. Ficamos todos com muito medo e fomos fazer os testes imediatamente. Os exames de todos deram negativo, menos o da minha irmã! No começo, ela tinha apenas dores de cabeça, mas a doença progrediu rápido. Ela já estava afastada pela doença há semanas.

Olho de novo para a mensagem no celular e minha cabeça está a mil. Por que ela está falando de Nevada? É aí que percebo… talvez ela realmente esteja dizendo adeus. Ela não manda mensagens assim. Em geral, são apenas memes engraçados e fofos, ou informações sobre uma família local que precisa de ajuda. Começo a entrar em pânico. Minha irmã não pode morrer. Que loucura. Não é justo! Ela tem um filho de apenas 10 anos: quem cuidará dele? Ele precisa da mãe! Temos tantas viagens planejadas! Temos uma lista enorme. Estamos só no começo! Fico aflita, preocupada, até um pouco em pânico… Mas então, percebo que ainda estou na chamada do Zoom. Eles não podem me ver chorar. Então, digo a mim mesma para não ser tão negativa. Eu sou muito boa nisso, sabe? Aprendi a fazer isso para sobreviver quando fiquei presa por dois anos trabalhando como escrava doméstica, longe de tudo o que conhecia e importava para mim.

Faço o que posso para manter o foco até o fim da reunião. Desligo o fogão. A reunião acabou. Daí, ligo para as pessoas da família para contar o que está havendo. Liguei até para o ex-marido dela. Não sei por quê. Só liguei. Comprei mimos para ela na CVS e corri para sua casa. Lá, ela estava deitada na cama, e eu mantive uma distância de 2 metros dela. Usei duas máscaras e luvas. Tinha medo de me infectar e de transmitir o vírus. Minha irmã tinha muita dificuldade para falar e até para respirar, pois a pneumonia estava muito grave. Eu disse a ela: “Isso é loucura. Você precisa comer, tomar as vitaminas; você tem que tentar. Ainda temos um monte de viagens pela frente”. Eu a amo muito e preciso que ela fique na minha vida. Sempre cuidamos uma da outra, e isso não pode mudar. Fui embora da casa dela dizendo a mim mesma que ela precisa ficar bem. Sei que ela é forte.

Bem, 2020 tem sido um ano desafiador, com certeza. Colocou nossa resiliência e a nossa fé à prova. Muitos tiveram de lutar para manter os empregos, mesmo no Centro do Trabalhador Brasileiro. Estamos arriscando a nossa saúde como trabalhadores da linha de frente, tentando ajudar aqueles que estão em pior situação. Agora, os pais precisam ajudar seus filhos a estudar em casa como nunca. Juntos, eles precisam descobrir como fazer o Zoom funcionar para aprender. Em nosso armazém de alimentos, vimos muitas famílias com fome e sem condições de pagar o aluguel. Além disso, como imigrantes, enfrentamos o racismo de pessoas que presumem que somos a praga ambulante da COVID-19. Tem sido extremamente estressante para meus colegas, nossa comunidade e famílias em todos os lugares. Estamos nas trincheiras.

Para mim, porém, houve uma luz muito grande! No dia 9 de junho, depois de ficar doente por quase três meses e à beira da morte, minha irmã finalmente conseguiu voltar ao trabalho e para nós. Graças a Deus, ela sobreviveu à COVID. Já estamos planejando uma viagem às Cataratas do Niágara no verão! 

Back to top